O local
Diz a lenda que as bruxas da região queriam fazer uma linda festa aos moldes da alta sociedade. O local para o encontro festeiro seria a praia do Itaguaçu, em Florianópolis, o mais belo cenário da terra.
bruxas_itaguacu__coqueiros_floripa
Foto Viva Coqueiros
Os convidados
Todos seriam convidados, os lobisomens, os vampiros e as mulas-sem-cabeça. Os mitos indígenas também compareceram, entre eles estavam os curupiras, os caiporas, os boitatás, e muitos outros.
Em assembléia, as bruxas decidiram não convidar o diabo pela razão de seu imenso fedor de enxofre e pelas atitudes antisociais, pois ele exige que todas as bruxas lhe beijem o rabo como forma de firmar seu poder debochadamente absoluto.
bruxas_itaguaçu_coqueiros_floripa
Foto Viva Coqueiros
A ira do Diabo
A orgia se desenrolava, quando surge de surpresa o diabo que entre raios e trovões, raivosamente irritado pela atitude marginalizante das bruxas, as castiga, transformando-as em pedras grandes, que até hoje flutuam nas águas do mar verde e azul da praia do Itaguaçu.
Daí o nome do lugar na língua indígena:
ITA = Pedra + GUAÇU = Grande
Placa Bruxas Itaguaçu Florianopolis
Essa placa, com a história das Bruxas, está fixada em uma das Pedras de Itaguaçu. Foto: Viva Coqueiros
A história da lenda
Gelci Coelho, o Peninha, escreveu esta lenda baseada nas histórias de Franklin Cascaes.
Quem passar pelo salão de festas das Bruxas de Itaguaçu poderá ler a historia do Peninha em uma placa de ferro, pregada em uma das bruxas (oops, em uma das pedras).
Franklin Cascaes (D), Juarez Machado e Gelci Coelho, o Peninha, na década de 70
Franklin Cascaes (D), Juarez Machado e Gelci Coelho, o Peninha, na década de 70
Quer mais bruxas?
Você poderá ver aqui também:

Viva Coqueiros! Por inteiro.

Florianópolis, Santa Catarina.

Siga o blog do Viva Coqueiros e receba, em primeira mão, as matérias publicadas aqui.