Nós e as Áreas Verdes – na coluna de Rodrigo Kiko Bungus Ferreira

Por Rodrigo Kiko Bungus Ferreira *

Na minha infância em Coqueiros, bairro de Florianópolis, uma das “aventuras” preferidas que eu e meus inúmeros amigos tínhamos era atravessar a “Floresta do Dêba” (propriedade do Aderbal Ramos da Silva). O Dêba ficava atrás da minha casa e abrangia a área que ia do ponto de ônibus, que ficava às margens da Max de Souza bem na interseção com a Av. Almirante Tamandaré, até a ponta do costão direito da Praia do Riso.

Era uma aventura que tomava praticamente o dia todo, e saíamos preparados com vários apetrechos de sobrevivência, como fósforos, recipientes com água e comida, facas, cordas e etc.

Coqueiros Florianópolis

Pra mim, um dos episódios mais tristes e traumáticos da minha existência foi ver toda aquela mata, cheia de árvores centenárias e animais, ser dizimada pra dar lugar a prédios, sem que houvesse o cuidado de deixar nem uma pequena parcela de mata.

Assistimos a esse processo predatório e até criminoso se repetindo incessantemente ao longo dos anos, e isso reflete diretamente na queda na qualidade de vida dos moradores, não só do bairro, como da cidade.

Coqueiros Florianópolis em 2014
Avenida Max de Souza – Foto Viva Coqueiros!

São poucos os projetos imobiliários que tem a preocupação de manter pelo menos parte da mata remanescente da área que ocupam, e vemos as áreas verdes diminuindo na mesma proporção do número de crianças nas ruas, que hoje tem suas áreas de lazer limitadas a pequenos parques cada vez mais lotados, áreas de lazer dentro de condomínios ou seus próprios quartos.

Via Expressa Center Coqueiros Florianópolis
Construção do Via Expressa Center jan. 2014- Foto Viva Coqueiros!

Precisamos urgentemente da mudança de estratégia de ocupação, nos projetos de engenharia, que ocupam as áreas restantes, pra que contemplem mais áreas verdes que permitam nossas crianças e adultos terem um contato mais direto e saudável com a natureza.

 

Crianças Parque de Coqueiros
Parque de Coqueiros Foto Viva Coqueiros!

É esse contato que dará as crianças o devido valor, respeito e amor, que devem ter pelo meio natural e que carregarão pelo resto de suas vidas.


Rodrigo Kiko Bungus Ferreira
* Rodrigo Kiko Bungus Ferreira é manezinho nascido na Carlos Corrêa em 1968, morador da Rua Bento Góia em Coqueiros, Florianópolis, no tempo que o bairro tinha muito mais ruas de chão do que pavimentadas, muito mais áreas verdes do que construídas e as águas das baías eram limpas. Biólogo formado em 98 na UFSC, surfista há 34 anos, fabricante de pranchas de surf há 26 anos, viajante desde 94, ambientalista, fotógrafo e empresário do ramo da gastronomia. Luto por tudo que amo, e tenho a total certeza de que a educação, a conscientização e os bons exemplos são os melhores caminhos pra fazer um mundo melhor pra todos.

Puerto Escondido

Valeu, Kiko!

Viva Coqueiros! Por inteiro.

Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Não deixe de seguir o blog do Viva Coqueiros e receber, em primeira mão, as matérias publicadas aqui. Todas as quintas, a coluna do Kiko estará na ativa, para falar de Coqueiros e região, e de temas diversos sobre a nossa vida.

2 comentários em “Nós e as Áreas Verdes – na coluna de Rodrigo Kiko Bungus Ferreira

  1. Em frente ao meu prédio, na Av. Engenheiro Max de Souza , esquina com a Rua Bento Goia, resta apenas um pé de Jambolão, do que dizem os antigos, ter sido um grande sítio. O heróico Jambolão resiste, não sei por quanto tempo, a vontade de vários moradores de vê-lo ao chão. Motivo: durante dois meses do ano, as suas frutas caem e sujam a calçada!

  2. Bom dia, Kiko! Agradeço a oportunidade de ler o seu texto. Não sou nativa, não nasci em coqueiros, mas adotei esse bairro e tento fazer a minha parte para preservar o pouco de espaço verde que dispomos. O que me espanta é conversar com (algumas) pessoas do bairro que aprovam a construção da marina próximo a praça ponta da ilhota (pequeníssima praça) pois, pensam que trará progresso para o bairro. Parque de coqueiros está a muito tempo pequeno para a comunidade, é preciso investir em mais parques, matas, chega dessa selva de pedra!

Deixe uma resposta