Coqueiros exige transporte público de qualidade

Por Dalton Malucelli Jr. *

A expectativa é de mais uma greve do transporte público e estamos nós, moradores de Coqueiros e de Florianópolis, reféns deste processo infindável.

Motoristas e cobradores realizam assembleias em Florianópolis. Em reuniões na manhã e tarde de terça, 19/05/2015, categoria aprovou estado de greve. Outra assembleia do Sintraturb foi realizada na noite do mesmo dia.

Muito bem. Mais uma vez a história se repete.

E estamos nós, moradores de Coqueiros e de Florianópolis, reféns deste processo infindável. A expectativa é de mais uma greve o do transporte público. A expectativa de não sabermos se amanhã, ou nos próximos dias, o que faremos para nos deslocarmos pela cidade com um transporte público, mas que atende somente interesses privados, seja de uma categoria de trabalhadores ou de empresários. A situação transporte público está insustentável. Se já não bastasse a insegurança física, convivemos há tempos com a dúvida e a realidade da ineficiência no transporte de massa.

Traduzindo: vou amanhã para o ponto de ônibus e não sei se vou ou se fico. Se fico a ver navios esperando um transporte que não vai aparecer. Eu poderia colocar aqui as reivindicações dos funcionários, as dos patrões, daria um artigo pomposo, técnico, cheio de informações, mostraria conhecimento. Só que não tô nem aí, estou ciente do conhecimento que possuo, não preciso mostrar-me à sociedade. O que não suporto mais são essas agressões ao cidadão nos seus direitos, e transporte público é serviço essencial, temos direitos de tê-los.

Mas o que eu gostaria de ver são as explicações concretas da prefeitura para realmente e finalmente abrir essa caixa preta do transporte coletivo em Florianópolis. Estou interessado e os moradores também. O que dizer às pessoas mais humildes que trabalham e necessitam do transporte urbano para se locomover?. Gostaria de colocá-los frente a um senhora de 70 anos que mora perto da minha casa, ela trabalha todos os dias de faxineira e sai cedinho daqui da Praia do Bom Abrigo para descer no terminal centro e vai até a Beira Mar, ou trindade. Queria colocar esses que tentam justificar a explicar a ela seus “motivos” que a levam a perder o dia, a não receber o seu dinheiro. Me digam? Ou alguns dos nobres irá levá-la no colo ou pagar sua suada diária? Desafio um destes burocratas, sindicalistas ou empresários, a fazê-lo. Perda de tempo,não teriam coragem. Para tudo existe um limite. Para sindicatos, patrões e poder público. Respeitar a mão que os alimenta, o cliente. E esse tal de percentual de obrigatoriedade de serviços nunca cumprido? Está na hora de autoridades, sindicatos e empresários assumirem responsabilidades e não simplesmente lavarem as mãos e deixar estourar sobre a população. E, por favor, não me venham com desculpas ou jogo de empurra – eu exijo ônibus!

Se as categorias não se acertam, a prefeitura e a justiça, poderes que foram criados para defender nossos interesses, que se mexam e garantam de forma concreta  e real os serviços. Se os atuais concessionários não estão dando conta do recado, que se institua a livre concorrência entre empresas de ônibus e o fim da linha exclusiva, incentivo e regulamentação de serviços de vans e micro-ônibus para transporte de massa e executivos porta a porta, com criação de novas rotas atingindo aqueles que estão longe das vias usuais de transporte coletivo. Os usuários que chegam ao terminal urbano e queiram deslocar-se para outros pontos do centro da cidade, contam com transportes rápidos, alternativos, baratos e eficientes. (vans, táxis, motos, sidecar e outros). Temos muitas alternativas, isto só no campo ônibus.

E os sindicatos que tratem de se aprumar. Não lembro que nós moradores tenhamos levado em algum momento nossos problemas para seus colos. Desculpem-me, mas suas lutas não vão ser pagas por nós. Busquem outras formas. Agora, bonito, vocês fazem greve, ficam sentados e eu fico a pé. Eu, o Cliente que lhes sustenta. Agora, por favor, não espero que concordem com nosso desabafo, exijo somente que respeitem nossa inteligência e usem argumentos sérios. Não queremos e não aceitamos sermos usados como massa de manobra para suas lutas e que acima de tudo respeitem-nos como cidadãos, o que infelizmente hoje não ocorre.

Vejo pessoas que defendem ou até acham o transporte em Florianópolis uma maravilha. Certamente, estas vieram de grandes centros onde o mesmo é um caos, ou não tem a noção exata do que é um transporte de qualidade. por não possuírem referências ou por estarem acostumadas com o serviço.Não existe padrões de comparação.

Transporte público em Florianópolis: uma questão de saúde pública, estresse na espera, espremido feito sardinha, transportado feito gado, cobrado feito vassalo e, quando, finalmente chega ao destino, expelido feito vômito. Este é meu sentimento de quem está no bairro Coqueiros desde 1970, vivenciou na pele como usuário do transporte coletivo, ouviu ao longo destes anos pessoas e, principalmente, o sentimento de quem não suporta mais ser usado e afetado no seus direitos. Assim como não se admite que as pontes ou nossas avenidas principais sejam fechadas para quaisquer movimentos ou eventos, não se admite nos dias conturbados de hoje greves em serviços essenciais.

É meu sentimento e tenho certeza ser o da maioria e, no jogo da democracia, a maioria vence sempre! Coqueiros exige respeito!

Dalton Malucelli Jr.

* Dalton Heros Malucelli Jr 53 anos, morador do Bairro do Bom Abrigo desde 1970, com 7 anos de idade onde estou aqui, firme. Cursei Engenharia Agronômica, tive 15 anos de lojas de calçados e há uns 10 anos atuo na construção civil. Mas, pra falar a verdade, não estou muito interessado em mostrar meu currículo, me defino como cidadão florianopolitano, morador do Bairro de Coqueiros, em Florianópolis, mais especificamente na praia do Bom Abrigo. Sou um cidadão como outro qualquer, que busca cumprir seus deveres, mas exige seus direitos. Não sou e nem pretendo ser dono da verdade, mas o que escrevo é fruto das minhas experiências, e acredito que de muitos vizinhos já que viveram uma realidade comum. A grande questão está na maneira que cada um enxerga essa realidade, e a sua visão de solução é o que muitas vezes provoca discórdias, mas, acredito, se o objetivo for o bem comum, não existem barreiras. Portanto, não espero ser unanimidade, seria pretensão demais, mas criar a discussão, chamar a atenção para certos eventos, ser um elemento ativo na busca de soluções é dever do cidadão. Abraços a todos.

Viva Coqueiros! Por inteiro.

Florianópolis, Santa Catarina.

Siga o blog do Viva Coqueiros e receba, em primeira mão, as matérias publicadas aqui.

4 comentários em “Coqueiros exige transporte público de qualidade

  1. com as mudanças no transporte publico, o nota-se uma piora significativa para o nosso bairro. Moro na praia do meio e quanto o onibus chega do abraao, ja chega transbordando de gente . Me sinto humilhada em entra num onibus assim. O executico, que nos servia tao bem, com horarios certos virou uma zona, so na sorte ou na paciencia para pegar. Simplesmente nao tem horario fixo, por que qualquer idiota sabe que o bairro do corrego grande e oi entorno da universidade é um gargalo do transito de florianopolis.

    1. Regina este é o ponto central ..falta de estrutura gera desrespeito….Quem sabe uma livre concorrência não melhoraria as coisa….mas….aqui parece ser diferente…muitas perguntas sem respostas..abraço…..fique bem…. e vamos cobrar…com critérios ,mas cobrar nossos direitos…

  2. E depois da dúvida se terá ônibus ou não… teremos a certeza do aumento da tarifa. Que beleza! E o povo paga os lucros das empresas. Em 2016 estaremos passando por isso novamente. Ah! Mas é ano eleitoral… vai que…

    1. É liz infelizmente estamos esperando a contrapartida faz tempo….e tudo que desejamos é um serviço confiável e respeitoso.Mas a caixa preta do transporte coletivo é blindada….Abraço e fique bem….e sempre alerta……

Deixe uma resposta