Foto antiga da Praia do Meio em Coqueiros

Fotografia antiga do bairro de Coqueiros em Florianópolis

Pessoal, hoje encontramos esta raridade de cartão postal, com imagem da Praia do Meio, na região de Coqueiros. década de 1970.


Para contextualizarmos melhor, buscamos um pouco da história do que estava se vivendo naquela época por aqui, pela cidade, em termos de crescimento populacional. Encontramos este depoimento no Jornal de Santa Catrina, de 1985.

Continue lendo “Foto antiga da Praia do Meio em Coqueiros”

Fotografia do Canto da Praia de Itaguaçu na década de 1940

Canto da Praia de Itaguaçu, em Florianópolis, e costão conhecido como Boqueirão, onde ficava a antiga casa de verão do governo (atual sede da Associação Atlética Banco da Brasil).

Continue lendo “Fotografia do Canto da Praia de Itaguaçu na década de 1940”

História da Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Coqueiros

Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Coqueiros foi criada em 05 de Julho de 1972

A comunidade de Coqueiros primeiramente fora atendida pelos padres que estavam sediados na paróquia de São José, mais tarde com o desmembramento da paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Estreito, a comunidade de Coqueiros passou a contar com o trabalho pastoral dos padres residentes nesta última. Até então a comunidade era atendida pelos padres diocesanos. O último padre diocesano a atender Coqueiros foi Pe. Quinto.

Continue lendo “História da Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Coqueiros”

De Coqueiros à Ilha de Floripa Zininho conta sua história


Poeta Zininho dirige seu jipe de Coqueiros à Ilha de Florianópolis

Vídeo de 1984, em que o poeta Cláudio Alvim Barbosa, o Zininho, compositor de Rancho de Amor à Ilha, o  hino de Florianópolis, dirige seu jipe pelas ruas da cidade. O vídeo inicia no Abraão, no Edifício Poeta Zininho, logo ao lado da Padaria Lisboa e da Mercearia Ori.

Em seguida, pelo caminho, passa pela orla das Bruxas de Itaguaçu, seguindo por Coqueiros em direção à Ponte e ao Centro.

A história do poeta Zininho

Enquanto dirige seu jipe, Zininho narra a sua história, desde sua infância.

Além de ser um artistas com muitas histórias, muitas delas escritas em forma de poesia, conseguimos um pouco mais de sua trajetória de vida e de artistas.

Cláudio Alvim Barbosa, o Zininho.

Nasceu em Biguaçu/SC, em 8 de maio de 1929 e faleceu em 05 de setembro de 1998. Inicialmente seria chamado Horzino, mas seu pai o registrou com o nome de Cláudio; por isso, o apelido Zininho, como ficou conhecido. Foi poeta, músico, radialista, motorista de táxi, carnavalesco e boêmio. Desde cedo mostrou seu talento musical. Aos oito anos fez sua estreia com sucesso, cantando músicas caipiras no Teatro da UBRO durante apresentação do Conjunto Demônios do Ritmo, de Waldir Brazil..

Aos 10, preferia ouvir rádio a brincar com os colegas. Aos 13, apaixonou-se e descobriu-se poeta, inspirado por paixões e seu amor por Ivete Vieira, mais tarde sua esposa e mãe de seus 4 filhos: Sandra, Jairo, Rose e Cláudia. Em 1947 estreou na Rádio Guarujá com o programa “Gentleman do Samba”, cantando sambas da época. Foi operador de sonoplastia e ponta nas novelas. Proprietário e motorista de táxi, adorava transportar os artistas contratados para shows. Em 1950 produziu na rádio Diário da Manhã diversos programas musicais, entre eles o Bar da Noite, que tinha como crooner a cantora Neide Mariarrosa que viria a ser a grande intérprete de suas canções.

A maioria de suas composições nasceram em mesa de bar, rodeado de amigos. Também criou vários jingles para programas de rádio e casas comerciais. Sua criação mais famosa, o “Rancho de Amor a Ilha”, criado em 1965 foi oficializado como Hino de Florianópolis, em 1968 – Fonte Cláudia Barbosa


Curta a página do Viva Coqueiros no Facebook

Viva Coqueiros! Por inteiro.

Florianópolis, Santa Catarina.

Siga o blog do Viva Coqueiros e receba, em primeira mão, as matérias publicadas aqui.