De Coqueiros à Ilha de Floripa Zininho conta sua história

Poeta Zininho dirige seu jipe de Coqueiros à Ilha de Florianópolis

Vídeo da década de 70, em que o poeta Cláudio Alvim Barbosa, o Zininho, compositor de Rancho de Amor à Ilha, o  hino de Florianópolis, dirige seu jipe pelas ruas da cidade. O vídeo inicia no Abraão, no Edifício Poeta Zininho, logo ao lado da Padaria Lisboa e da Mercearia Ori.

Em seguida, pelo caminho, passa pela orla das Bruxas de Itaguaçu, seguindo por Coqueiros em direção à Ponte e ao Centro.

A história do poeta Zininho

Enquanto dirige seu jipe, Zininho narra a sua história, desde sua infância.

Além de ser um artistas com muitas histórias, muitas delas escritas em forma de poesia, conseguimos um pouco mais de sua trajetória de vida e de artistas.

Cláudio Alvim Barbosa, o Zininho.

Nasceu em Biguaçu/SC, em 8 de maio de 1929 e faleceu em 05 de setembro de 1998. Inicialmente seria chamado Horzino, mas seu pai o registrou com o nome de Cláudio; por isso, o apelido Zininho, como ficou conhecido. Foi poeta, músico, radialista, motorista de táxi, carnavalesco e boêmio. Desde cedo mostrou seu talento musical. Aos oito anos fez sua estreia com sucesso, cantando músicas caipiras no Teatro da UBRO durante apresentação do Conjunto Demônios do Ritmo, de Waldir Brazil..

 

Aos 10, preferia ouvir rádio a brincar com os colegas. Aos 13, apaixonou-se e descobriu-se poeta, inspirado por paixões e seu amor por Ivete Vieira, mais tarde sua esposa e mãe de seus 4 filhos: Sandra, Jairo, Rose e Cláudia. Em 1947 estreou na Rádio Guarujá com o programa “Gentleman do Samba”, cantando sambas da época. Foi operador de sonoplastia e ponta nas novelas. Proprietário e motorista de táxi, adorava transportar os artistas contratados para shows. Em 1950 produziu na rádio Diário da Manhã diversos programas musicais, entre eles o Bar da Noite, que tinha como crooner a cantora Neide Mariarrosa que viria a ser a grande intérprete de suas canções.

A maioria de suas composições nasceram em mesa de bar, rodeado de amigos. Também criou vários jingles para programas de rádio e casas comerciais. Sua criação mais famosa, o “Rancho de Amor a Ilha”, criado em 1965 foi oficializado como Hino de Florianópolis, em 1968 – Fonte Cláudia Barbosa


Curta a página do Viva Coqueiros no Facebook

Viva Coqueiros! Por inteiro.

Florianópolis, Santa Catarina.

Siga o blog do Viva Coqueiros e receba, em primeira mão, as matérias publicadas aqui. 

 

 

Época de ouro das rádios em Florianópolis

Parede com ícones de Floripa nas paredes do Bar do Ori

O Viva Coqueiros, blog oficial do bairro de Coqueiros, em Florianópolis, quer homenagear os profissionais de rádio através das palavras da nossa querida Cláudia Barbosa, filha do poeta e compositor Cláudio Alvim Barbosa, nosso Zininho. Parabéns a todos que criam, produzem e se dedicam ao rádio, como o meio mais ágil de comunicação. Continue lendo “Época de ouro das rádios em Florianópolis”

Rancho de Amor à Ilha no Parque de Coqueiros

Pessoal, na comemoração dos 289 anos de Florianópolis, no Parque de Coqueiros, a Banda da Polícia Militar e o Mazinho do Trombone executaram o Rancho de Amor à Ilha,  o Hino da Cidade, composta pelo poeta Zininho (Cláudio Alvim Barbosa).

O Rancho de Amor à Ilha é a obra mais representativa do poeta Zininho, e que pertence à cultura e ao bem imaterial da cidade de Florianópolis. Zininho sempre, pra sempre!

Rancho de Amor à Ilha no Parque de Coqueiros

Foi lindo de presenciar!

Agora, queremos saber a sua opinião. O que representa o Rancho de Amor à Ilha na sua vida?

Rancho de Amor à Ilha Parque de Coqueiros

Viva Coqueiros! Por inteiro.

 

Salve, Ziza

Salve, Ziza

O teu pai foi Camisa
marcou o seu jogar
o teu canto suaviza
nossa terra e o mar
salve, Mestre Ziza
vamos te celebrar!…

Nos cantos dessa Ilha
está sempre teu cantar
és estrela que brilha
por qualquer lugar
seguimos tua trilha
vamos te celebrar!…

(Pedro Bertolino/ Fpolis./ 04.10.013)

Poeta Zininho
Poeta Zininho

Lição de Amor

Pois, nosso poeta Zininho
tinha na casa uma cadela
e uma ninhada de gatinho

que se alimentava nela.

Ele olhava com seu carinho,
admirando aquela aquarela,
que pintava o seu caminho,

espiava pela sua janela,

ia compondo o seu Ranchinho,
ao passo que os olhos dela
se lhe voltavam de mansinho.

(Nano-poema de Pedro Bertolino/Fpolis./ 07.02.013)
Do meu livro “Cancioneiro da Ilha”, Fpolis./ 2013/ Benúncia Editora!

Nosso poeta Zininho

Veja mais na página de Pedro Bertolino no Facebook